You are currently browsing the category archive for the ‘saudade’ category.

Realmente, nós somos um milagre.

Somos um milagre. Somos tão frágeis, tão diferentes entre si, mas ao mesmo tempo tão iguais. Nós recebemos o presente de estar aqui, agora. De ocuparmos este corpo, que obedece nossos comandos e nos mantém conscientes de si próprios, e do mundo ao redor. Às vezes paro para pensar em como é possível eu poder enxergar o mundo, ouvir os mais diferentes sons… até mesmo abrir e fechar as minhas mãos… como é possível ? Este corpo possibilita tanta coisa. Essa interação com o ambiente, com todas as outras coisas. A experiência de estarmos aqui, agora, realmente é impressionante.

Analise bem a fundo. Veja além do que você sabe, além do que você estudou na escola. Voce é bem mais do que simples estruturas de células, nervos e músculos que se movem seguindo sua ordem, seu pensamento. Agora, penso como desperdiço energia corpórea movimentando-me desnecessariamente, às vezes. Certos movimentos inúteis, bestas, desnecessários. Embora, outros movimentos, muito mais necessários, não executo. Seja por preguiça, por falta de vontade, por “cabeçadurice”. Tantos trejeitos e tantas ações que poderiam ser melhor aproveitadas…

Claro que tudo o que eu faço serve para algo. Serve para eu aprender. Sentir que eu me canso, que certas coisas não são importantes… Por isso que falei essas coisas… não que eu deveria pensar muito antes de fazer tudo, mas que eu deveria pelo menos ter mais respeito com o que eu tenho, com a minha saúde.

É realmente incrível eu poder experimentar tudo isso durante tantos anos de encarnação. Tem momentos que eu me sinto ainda mais vivo, mais energizado, como se faíscas percorressem meu corpo. Quando olho dentro dos olhos da pessoa amada, e toco sua pele… e beijo sua boca. Esses momentos são jóias preciosas para mim, mais do que qualquer outra coisa. Eu olho dentro de seus grandes olhos castanhos brilhantes, aqueles olhos que transmitem calma, amor, e a certeza de carinho e cuidados por muiiiito tempo… sim, olhos tão familiares, em que confio tanto, e que  aquecem minha alma.

Dinheiro, casa, carro ? Em segundo lugar. Vencedora é a dona desse par de olhos que mantém meu coração saltitando no peito quando está perto; paradão e saudosista quando está longe.

Eu disse que nós somos um milagre, pois foi o que senti no começo do texto… mas agora, sinto que ter essa pessoa comigo é um milagre ainda maior. Por isso, obrigado a você, minha amada, por compartilhar comigo sua vida, assim como eu compartilho contigo a minha. Não há maior elo entre duas pessoas distintas do que o nosso, isso eu tenho certeza.

Recomendo a você, caro leitor, que cuide bem da pessoa que ama, pois não há tesouro na Terra que valha mais que isso. E lembre-se de olhar para si mesmo, e sentir como você é especial, como é brilhante, e como esse exato momento é um presente. Agradeça ao Universo por existir e saiba que nada vale as suas lágrimas ou a sua tristeza por muito tempo. Regozije-se, alegre-se, pois é disso que se trata a vida.

Namastê.

A batalha interna começa. Você nao sabe o que fazer ao certo. Talvez seja incrível fazer o que o coração quer… emocionante, aventuresco, desbravador, ir atrás dos seus anseios, daquilo que o coração mais necessita. Arriscar-se ao máximo… e é provavel que você não consiga, talvez se machuque, talvez nem sobreviva… mas você sente um ímpeto de segui-lo. Você consegue até divisar a felicidade no horizonte… a conquista de algo que deseja mais do que tudo… e tudo faz você acreditar que é isso o que importa, que é o que te fará feliz.

Mas ao mesmo tempo, sua mente te avisa. Com uma capacidade inconcebível de calcular probabilidades, a chance de entrever o sucesso ou o fracasso é nítida. A razão sabe aproximadamente quais as chances de um e de outro. Analisa o problema em partes, depois sintetiza-o em uma única questão, variando as formas de pensamento, procurando a solução. A sua mente sabe qual o caminho mais seguro a tomar para se proteger. Sabe analisar a situação e o comportamento das pessoas até em nível psicológico. Incrivelmente, a razão te aponta em uma direção… e você sabe que é uma boa opção, afinal de contas, o que ela nos oferece é sempre para o nosso bem. Mas será mesmo?

O coração é o aventureiro. O guerreiro destemido. A mente é o sábio. O mago perspicaz. A questão que continua é: qual deles você seguirá ?

Pessoalmente, sou mais do tipo aventureiro, e nunca fui muito do tipo pragmático e racional. Mas admito que às vezes a minha mente se sobrepõe, e bastante. E o medo ?! Ah sim… as vezes nos damos a nós mesmos a desculpa de que “pensando bem, é melhor não”, “melhor ser prudente”, ou seja, justificamos nosso medo através da racionalização. Isso acontece direto, com todo mundo. O que acontece nesses casos é que a pessoa não faz o que o coração queria, e acaba nunca sabendo o que aconteceria caso fizesse. NUNCA é tempo demais. É uma palavra amaldiçoada. Então, o que seria melhor nesses casos ?

Chutar a razão e a mente pra LUA e fazer o que o coração quer. Ser racional o tempo todo atrapalha muitas coisas, principalmente as que podem trazer maior felicidade para você. Embora você se proteja do mal, você também acaba se protegendo do bem que pode receber.

Mas há o ponto negativo de seguir o coração. Você se arrisca, e muito… se expõe, mostrando suas fraquezas, suas intenções e desejos. Mas, ao fazer isso, você também demonstra muita coragem, decisão e firmeza. Não tem medo, ou se tem, sabe muito bem como controlá-lo. Você é uma pessoa de ação, que se arrisca e quer a felicidade a qualquer custo, mesmo que tropece, que caia, que doa. Porque sabe que vale a pena tentar ser feliz. Claro que há momentos em que você não aguenta mais cair e se machucar. Aí a velha e boa mente, o sábio que há dentro de você, falará “não falei? tome mais cuidado”. Por enquanto é bom ouvir essa voz… mas logo você a deixa de lado para ouvir a voz que te faz saborear o que há de melhor na vida, as coisas que te darão maior satisfação e felicidade do que segurança. Pois não estamos vivos para estarmos seguros. Estamos aqui para fazer de tudo, experimentar tudo, e tentar de tudo, pois somente assim tiraremos proveito e aprendizado da nossa estadia aqui. Ouvindo a voz do guerreiro destemido, o chamado do conquistador, o grito de guerra da alma !!

Há momentos em que não sabemos como encarar a vida. Depois de tantas coisas que aconteceram conosco, há um esmorecimento, um desânimo que nos contamina e que parece não nos deixar ir em frente… pois nos puxa para baixo. Hoje pensei, em que devo me agarrar à minha vida ? O que poderia me fazer viver com mais intensidade, ter mais motivação e vontade ? Há motivos, claro… mas há também uma tristeza profunda. Tem momentos que eu queria estar só, e pensar na vida. Pensar e meditar. Acho que nos preocupamos com coisas tão banais no dia-a-dia que esquecemos o que realmente importa. É nas coisas que realmente importam que devemos focar nossas energias. E não sei, penso que talvez ficar trabalhando, saindo, fazendo piadas imbecis e vivendo uma vida sem grande propósito não seja meu ideal, meu caminho ou meu objetivo aqui.

Fazer tudo isso é saudável e faz parte da vida, claro. Estou vivendo, e bem. Mas há uma busca dentro de mim que é inquietante. Já senti tantas coisas magníficas na minha vida. Sentimentos indescritíveis que não comentarei aqui, e que guardo comigo como jóia preciosa. Mas preciso senti-los de novo e explorá-los ao máximo, pois não tive a chance de ir até o fim. Quero desbravar tudo o que há para ser desbravado, e conhecido e sentido. Pois ao trilhar um caminho, ou ao ir até o fim de uma escolha, você passará por tudo: alegrias e tristezas, contentamento e angústias. Mas ao fim da jornada, você terá adquirido toda a experiência, o conhecimento e a sabedoria de ter vivido a sua escolha. O unico problema é que as vezes as coisas acontecem sem sua escolha. Nesses casos, é mais complicado pois você precisa aceitar e deixar tudo passar.

Só sei que a solidão é sufocante. É triste demais e parece um buraco sem fundo. Estou muito Noir hoje, sim… mas enfim, não há remédio. Na vida há de tudo, como já disse, grandes pratos de tristeza e de alegria, e é tudo imprevisível. Nessas horas, gosto de escrever. Alivia tudo isso e refrigera a mente.

Às vezes dá uma vontade de fazer uma grande viagem e ir para bem longe. Bem longe, e meditar e procurar entender melhor o mundo, na quietude e na paz de algum lugar esquecido pela humanidade mas vivenciado pela natureza e pelos animais. Acho que conseguiria encontrar as respostas. Na vida moderna, tudo é muito rápido, e tudo exige respostas rápidas. A informação viaja na velocidade da luz, e não há tempo para reflexão, ou para entender o significado maior das coisas. Pois creio que, entendendo melhor como o mundo funciona, nós podemos agir melhor nas nossas vidas, de forma mais eficiente, e sermos mais felizes. Infelizmente no mundo globalizado de hoje essa forma de pensar está diminuída. Mas ainda é possível encontrar pessoas que pensam como eu. Já sei. Preciso mudar meu curso de ação novamente. Farei uma introspecção em mim mesmo… uma manutenção pessoal… há tempos que não faço isso. Ajudará a clarear as idéias.

Você ja se sentiu perdido? Sem saber o que fazer a seguir?
Por exemplo, neste exato momento, estou em casa, sozinho, escrevendo neste notebook velho e lento, com vontade de mijar, com uma incomoda sensação de que tenho coisas importantes pra fazer (e que no momento não estou nem um pouco a fim de fazer!), usando minha camiseta listrada tipo “vertigem” e calça tac-tel, descalço.
Sinto que deveria rever meu compromissos. Ou, talvez, fazer tarefas pertinentes ao meu planejamento para o futuro. Afinal de contas, planos todos temos. Grandes, pequenos, realizáveis ou não. Até fantasiosos. Mas ainda assim, não quero fazer nada para o futuro. Não. Quero ficar aqui digitando esse texto ridículo, pois quero saber o que vão achar dele amanhã.

O que eu quero dizer é como é incrível como lutamos com nós mesmos. Mesmo sabendo o que devo fazer, aquilo que eu preciso fazer para assegurar os meus planos, não quero fazer. Afinal, por que a revolta ? O que há de errado ?
Há algumas hipóteses… a preguiça… a comodidade também… “estou bem agora, porque devo me incomodar em fazer ‘X’ tarefa ?”
Apesar de saber que estou errado, continuo aqui. Aí está outro erro muito comum. Insistir no erro é algo muito comum. Pensando bem, insistimos no erro, porque precisamos de algo que o “erro” nos dá de imediato, embora as causas que fazem com que cometamos o “erro” permaneçam mais profundas em nós.

Por exemplo. Estou com saudade da minha noiva. Tá doendo pra cacete ficar longe assim, mas não há a menor possibilidade de vê-la em breve. OK, penso eu, vou lá comer um chocolate, ou tomar uma lata de cerveja.
Isso me fará esquecer da dor e da saudade. Ou seja, estou “errando” ao comer e beber, e isso esta aliviando temporariamente a tensão, mas não resolverão a verdadeira causa, que é a saudade. Para isso, eu precisaria mandar tudo pra PQP e ir lá na casa dela !! HAHA, eu já fiz isso, é ótimo… experimentem com suas respectivas, eu recomendo.

Em resumo, enquanto não descobrir o que eu preciso fazer pra botar minha vida em ordem, continuarei fazendo as mesmas cagadas de sempre, todos os dias.

Ein? Não precisam me olhar desse jeito. Eu avisei que seria desse jeito aqui. Viagens na maionese, filosofia, etc. tudo incluso, e de graça !!

Arquivos