You are currently browsing the category archive for the ‘pensamento’ category.

Encontrar a paz é algo que todos querem. Mas muitos confundem o que exatamente é a paz.

Paz não significa letargia, imobilidade… tédio. Paz é um estado de espírito, em que a pessoa se sente tranquila e/ou realizada. Realizada, nesse sentido, quer dizer “conseguir o que queria”, ou “atingir o objetivo”. Mas, para conseguirmos isso precisamos lutar. Lutar para conseguir o que queremos, para atingirmos nosso objetivo. Ora, mas o objetivo não é a paz ? Sim. E precisamos lutar pela paz ? Sim.

Parece contraditório, paradoxal. Lutar pela paz, sendo que a paz é justamente a ausência de luta. Mas é assim que tem que ser. Da luta, chegamos à paz. Da paz, vamos à luta, porque não dá pra ficar parado o tempo todo, letárgico, sem ter objetivos. Isso seria igual à morte, pois paz eterna significa isso. Imobilidade total, para sempre.

Só há uma forma de termos paz eterna e não ser igual a morte. Teremos paz eterna quando atingirmos todos os objetivos, e conseguirmos tudo o que queremos. Seremos tão grandes, tão cheios de experiência por termos trilhado todos os caminhos para atingirmos todos os objetivos, que não haverá mais segredos para nós. Tudo se tornará claro, pois teremos visto tudo. De fato, ao conseguirmos tudo, nós seremos O Todo. Então, não haverá mais nada escondido de nós.

Daí, somente daí, teremos paz. Pois a paz só é alcançada através da luta pelos nossos anseios mais profundos.

Às vezes temos amostras do que significa a paz. Temos essa sensação quando passamos em concursos, compramos aquele carro que queríamos tanto, encontramos alguém especial para amar, conhecemos pessoas e lugares que há muito queríamos ver, comemos naquele restaurante novo que abriu no centro…

Ultimamente tenho sentido bastante essas pequenas parcelas de paz, ou serenidade. Tenho conseguido atingir vários objetivos em curtos períodos de tempo, e tenho uma serenidade e complacência enormes agora. Essas sensações são muito boas.     Estou tão bem como não me sentia há tempos. Por isso, digo que vale a pena lutar. E digo lutar não apenas em acordar cedo e ir trabalhar todos os dias, e “suar a camisa”. Digo lutar também no âmbito interno de cada um de nós. Lutar contra o desespero, a tristeza, a solidão, a melancolia. Lutar contra tudo isso, mandando-os para bem longe. Não somente lutar contra o mal, mas principalmente, lutar a favor do bem. Lute pelo bem. Às vezes isso é muito mais eficaz do que lutar contra o mal. Lutando pelo bem e conseguindo as parcelas de serenidade, damos exemplo às pessoas que estão ao nosso redor de como agir para que elas também se realizem, e sejam mais felizes…

Bom, é isso que eu queria compartilhar. Namastê !

Namastê ou Namaskar é uma saudação usado no sul asiático, da mesma forma como “olá” ou “adeus” seriam usados em português. O significado, porém, é diferente. Em sânscrito, na reflete uma simples negação. Mah refere-se ao ego. Portanto, namah significa “obediência, saudação reverencial, adoração ao seu eu interior”, mas não ao seu ego. Te é o dativo do pronome pessoal tvam, “tu”. Uma tradução poderia ser: “uma saudação reverencial ao seu eu interior”, ou “o deus que há em mim saúda o deus que há em ti”.

Fonte: wikipedia

Anúncios

Acabei de assistir Wall-E, e senti uma inspiração enorme em escrever este texto. Se você quiser entender melhor o que se passou pela minha cabeça quando escrevi isso, assista o filme antes de ler esse texto. Você o entenderá corretamente, e me entenderá também, por consequência…

Como fazer para que a humanidade tivesse um meio de criar amor ?
Se todos pudessem sentir o amor, e dá-lo, e vivenciá-lo… nenhum problema seria grande. O amor nos faz sentir cheios de bondade, de beatitude, é um borbulhamento da alma, que vem de dentro e nos inspira  a ser melhores… tudo o que a gente precisa é de amor. Não consigo imaginar alguém com amor dentro de si praticando alguma atrocidade, algum mal, ou algum crime, contra qualquer pessoa ou ser vivo, ou contra si mesmo. Não. Uma pessoa vivendo o amor, tendo-o e espalhando-o, acaba tornando-se a própria essência dele, e não é capaz de mal algum. Pelo contrário, pode somente fazer o bem.

Todo o resto é tão supérfluo. Todas as máquinas, toda a tecnologia. Toda a ciência, filosofia, inúteis, face a importância do Amor. O Amor é tao importante, que me indago: como dar isso as pessoas ? Como fazer o Amor uma realidade para todos ? Tenho certeza de que tudo seria tão, mas tão melhor. O Amor parece ser o remédio para todos os problemas, para todas as causas. O Amor em todas as suas formas, curam todas as doenças, todas as necessidades, todo o sofrimento.

O Amor é o contrário do egoísmo, o contrário da ganância, o contrário do medo. O Amor é o contrário da fome, da miséria, da marginalidade. O Amor é um estado de espírito, um bem-estar constante, uma forma de agir, um sentir completo e sem restrições, sem imposições, sem barreiras, sem controle. E é, ao mesmo tempo, total, absoluto, soberano, conquistador. O Amor é a liberdade. É um bem querer, é uma clareza de visão. É um dia ensolarado sem nuvens, sem escuridão alguma… é uma luminosidade adquirida e transmitida…

Quisera eu que o Amor fosse algo contagioso… que todas as pessoas pudessem ter uma parcela do bem que ele pode trazer… que suas mentes e seus olhos se abrissem, e principalmente, seus corações… para que vissem como é essa fonte da mais pura água, límpida e fresca, clara e hidratante… a fonte da Vida.

All You Need is Love (Lennon – MacCartney)

Love, love, love, love, love, love, love, love, love.
There’s nothing you can do that can’t be done.
Nothing you can sing that can’t be sung.
Nothing you can say but you can learn how to play the game
It’s easy.
There’s nothing you can make that can’t be made.
No one you can save that can’t be saved.
Nothing you can do but you can learn how to be in time
It’s easy.
All you need is love, all you need is love,
All you need is love, love, love is all you need.
Love, love, love, love, love, love, love, love, love.
All you need is love, all you need is love,
All you need is love, love, love is all you need.
There’s nothing you can know that isn’t known.
Nothing you can see that isn’t shown.
Nowhere you can be that isn’t where you’re meant to be.
It’s easy.
All you need is love, all you need is love,
All you need is love, love, love is all you need.
All you need is love (all together now)
All you need is love (everybody)
All you need is love, love, love is all you need.

Olá consciência coletiva global (vulgo Internet),

Acostume-se com o Não-Acostumamento !

– patenteado para TiagoMaisUm. Proibida a cópia ou utilização sem autorização prévia. Copyright© 2008. Todos os direitos reservados.

Haha, Ok, brincadeiras à parte…

Falando sério, estou aprendendo a usar isso. A não me acostumar com coisa alguma. Pois, uma hora ou outra, tudo mudará. “Tudo está em constante transformação”. Aí está uma frase clichê que, assim como tantas outras, é a pura verdade. E assim como todas as frases clichês, as pessoas a ouvem e não se dão ao trabalho de refletirem um pouco mais sobre a mesma.

Absolutamente tudo está em movimento, tudo se direciona para algum lugar, quer queiramos ou não. Desde a mais ínfima partícula no átomo até os aglomerados estelares, tudo se movimenta. Até os pensamentos. Até os sentimentos…

Apesar disso, temos uma tendência a cristalizar as coisas. Temos essa mania engraçada de dizer que tal coisa é assim, outra coisa é assado… mas considerando a “inestaticabilidade” das coisas, o que é agora já não é mais, pois deixou de ser aquilo assim que você pronunciou (ou pensou) a frase.

Muito complicado ? Ok. Tomemos um exemplo. Digamos que você está olhando para um prego na parede. Você olha para ele e diz “Isso é um prego”. No instante seguinte, ele ainda é um prego, é claro. O que voce esperava ? Que ele se transformasse em um Pintassilgo ? (Sempre quis falar isso, haha) É claro que não. Mas você não tinha como AFIRMAR COM CERTEZA.

Essa é a beleza do momento, do paradoxo do passado, presente e futuro. O prego estava ali, era um prego, mas NADA assegurava que ele ainda seria prego no momento seguinte – algo poderia ocorrer fazendo com que ele mudasse de forma, mudasse de estado físico ou perdesse sua integridade atomica… entre tantas outras milhares de possibilidades.

OK, talvez eu não tenha sido muito feliz no meu exemplo, mas creio que deu para entender o ponto principal. O que eu quero dizer com isso é que o melhor a ser feito é “acostumar-se com o não-acostumamento” de todas as coisas. É difícil, pois a inércia de pensamento e situações faz com que nos sintamos confortáveis em achar que tudo está bem e permanecerá bem. A estabilidade nos traz tranquilidade. E quando menos esperamos, tudo muda. TUDO PODE MUDAR NUM PISCAR DE OLHOS. De fato, tudo realmente está mudando a cada piscar de olhos, mas você não nota isso.

Voltemos ao prego. Quando você diz “Isso é um prego”, entre o começo e o fim da frase, os átomos do prego vibraram milhões de vezes, seus elétrons trocaram cargas com o ambiente ao seu redor, absorvendo e eliminando energia… entre tantas outras milhares de interações que ocorreram nesses poucos segundos. Nesse ínterim, pode-se dizer que o prego já nao é o mesmo, pois os átomos se modificaram, os átomos entre si já eram diferentes no final da pronúncia da frase.

Pois bem, isso foi só com o prego. Agora, aplique isso para todo o universo. Para todos os átomos de todas as moléculas, tudo mudando e trocando e transformando… imagine… (pausa para imaginar)… Fantástico, não ?

E lembre-se que isso foi apenas com o mero aspecto físico detectável por nossos sentidos e/ou invenções da ciência. Lembre-se que o ser humano só é capaz de detectar uma determinada faixa de frequência em cada um de seus cinco sentidos. Você enxerga todas as cores da luz visível, mas não vê abaixo do infravermelho ou acima do ultravioleta. Esse mesmo exemplo é aplicado para olfato, audição, paladar e tato. Certos animais conseguem detectar faixas de frequência maiores que nós, humanos, e isso já foi comprovado. Portanto, disso extrai-se que o ser humano é sim, fisicamente falando, bastante limitado. Claro que há meios de transcender essas barreiras físicas, mas isso fica para outro dia senão vou me perder muito na linha de pensamento aqui.

Então, tudo está mudando, tanto quanto nas faixas de frequência que conseguimos perceber assim como nas que não conseguimos. A principal consequência em não estar preparado para as bruscas mudanças que encontramos a cada momento é… sofrimento. Sofremos por não aceitarmos o que acontece conosco e às pessoas à nossa volta. Sofremos por acontecer coisas desagradáveis com a gente. Sofremos ao ver que o que estava bom não está mais.

Acho que a melhor maneira de remediar isso é aceitar o presente, e viver o presente, e deixar que o futuro venha como tiver de ser. Aceitar o presente e abraçá-lo, e procurar encarar o presente da melhor forma, pois talvez você esteja vivendo o auge do seu momento BEM AGORA, mas não está percebendo. Talvez na próxima esquina você passe por problemas e aí talvez demore um pouco mais para vir uma onda de “bons acontecimentos” de novo… sim, pois tudo é cíclico… esse é outro assunto que quero abordar mais profundamente depois, o aspecto cíclico do universo…

Outro fator que tenho notado ser bastante eficiente é você se centralizar. Focar em si. Olhar para dentro e ver se você está feliz, satisfeito, se está tudo OK. Olhar para dentro e consertar o que precisa de reparos, melhorar o humor aqui e ali, talvez fazer um exercício aqui e ali, alimentar-se melhor, comendo um pouco disso ou daquilo. Encontrar o equilíbrio Interno, ou seja, físico, mental, sentimental e espiritual. Isso com certeza te tornará muito, mas MUITO mais resistente a mudanças, porque você se tornará como uma rocha resistente, como uma ilha de pedra sólida em meio ao oceano das instabilidades da vida. Tenho procurado isso, e tem me auxiliado bastante…

As minhas metas nos últimos tempos têm sido, entre elas, de sorrir no presente, agradecer ao Universo pelo Agora, e sorrir face aos desafios e aos problemas que aparecerem. Sorrir diante da Vida, diante dos fatos diários, que se sucedem, vêm e vão e se mostram tão passageiros diante do Infinito que tenho adiante, diante da Felicidade e das Conquistas que estão vindo ao meu encontro, pouco a pouco. Tudo isso está vindo ao encontro de todos nós, não tenho a menor dúvida. Pois somos filhos do Cosmos e, portanto, herdeiros de sua Magnitude.

Sorria sim, pois tudo passa, inclusive uva passa. Não podia deixar de fazer uma piadinha infame =P

Aqui vai um poeminha muito singelo, que ouvi muito durante minha infância e que sempre me ajuda em diversos momentos… me faz lembrar de uma das maiores lições de vida que já tive (obrigado, mãe !) :

Lembrança, quanta lembrança
Dos tempos que já lá vão!
Minha vida de criança,
Minha bolha de sabão!
Como vais, como te apartas,
E que sozinho que estou!
Ó meu castelo de cartas,
Quem foi que te derrubou?
Tudo muda, tudo passa
Neste mundo de ilusão;
Vai para o céu a fumaça,
Fica na terra o carvão.
Mas sempre, sem que te iludas,
Cantando no mesmo tom,
Só tu, coração, não mudas,
Porque és puro e porque és bom!

Coração – Guilherme de Almeida

Sorria do perigo, do medo , da tristeza e da dor. Sorria com ironia, com sarcasmo. Olhe para esses fatos passageiros e pense “Já derrotei você. Você é um adversário vencido, pois no final, eu sempre serei triunfante!” O segredo da felicidade está AQUI e AGORA. Você tem o poder, eu também tenho. Sempre tivemos, mas nunca soubemos como usá-lo.

Somos todos Padawans compartilhando experiências…

Que a força esteja com todos nós !

Até breve !

Estava lendo um artigo sobre cosmologia de plasma recentemente, e apanhei-me num pensamento bastante interessante… resolvi registrá-lo aqui para referência futura. Para quem não sabe, a cosmologia do plasma é basicamente uma nova teoria que explica diversos fenômenos que ocorrem no universo visível com muito mais acuidade e intuitividade do que a cosmologia atualmente aceita. Trata-se de correntes elétricas intergaláticas devido a presença de íons livres no espaço, de magnitudes imensas e facilmente comprováveis em laboratório. Durante a leitura do artigo, peguei-me imaginando as estruturas atomicas e elétricas… e entre diversos pensamentos, foi a isso que cheguei:

O que julgamos sólido na verdade não é. É sólido porque é resistente ao nosso toque, possui formato definido… na verdade ao tocarmos algo, tocamos a nuvem de elétrons formado pelos átomos daquele objeto. Ao encostarmos no objeto, os campos magnéticos se tocam e se repelem, fazendo com que a sua mão não atravesse ou entre dentro do objeto. Isso também ocorre devido à distância em que os átomos de sua mão se encontram entre si, e do objeto em questão, pois os atomos formam uma “malha” de ligações mais ou menos resistentes, e essas ligacões só são quebradas sob certas circunstâncias, como por exemplo por pressão mecânica (facas, agulhas), por passagem de alta corrente elétrica, destruindo a estrutura elétrica dos atomos, ou mesmo submetendo os átomos a alta temperatura (queimaduras)… há outras maneiras de desestabilizar ou enfraquecer as ligacões atômicas, como através do frio congelante, retirando energia das ligacões e deixando-as mais frágeis, ou através de radiação, sendo esta a forma mais extrema.

Mas o que quero deixar registrado aqui é que fundamentalmente nós não somos sólidos. Nós apenas temos a aparência de sermos sólidos por causa da resistência que temos ao toque… mas na verdade somos tão “nebulosos” como as galáxias presentes no céu…

Será que existiriam estruturas no universo, de galáxias ou algo maior, que fossem similares à estrutura molecular dos nossos sólidos ? Seria bastante interessante ver conjuntos desses aglomerados galáticos se “tocarem” mas nunca se “mergulharem” um no outro, por causa da resistência eletromagnética de seus componentes galáticos serem semelhantes…

Não sei se vocês conseguem entender a idéia que estou tentando passar aqui… Estou tentando imaginar se o universo, no fim das contas, não é apenas uma imensa criatura, de tamanho tão inconcebível para nós, da mesma forma que é o elétron para o ser humano, que somente conseguimos ver uma pequena porção de seu imenso corpo ? Ou talvez a estrutura do universo se assemelhe a outra coisa… acho que faz sentido pensar dessa forma, pois considerando que estamos todos interligados através dessa teia de forças e campos, é muito provavél que isso forme uma macro-estrutura… muito embora improvável que consigamos vislumbrar como ela é ou que aparência possui…

Mas voltando ao conceito “não-sólido” da matéria que falei anteriormente. Quando penso nisso, dá uma sensação de que sou tão volátil… é quase uma sensação de não-existência. Como se eu estivesse aqui apenas por um milagre. Eu existir nesse momento É de fato um milagre… não no sentido religioso da palavra, mas digo no sentido que somos criações incríveis. Como bonecos de pano, soldados de argila animados, nós nos movimentamos, andamos, e fazemos de tudo, com essa estrutura molecular aparentemente sólida. Modificamos o ambiente, atuamos sobre tantas outras coisas… e no entanto somos tão frágeis…

Agora o que sinto por mim mesmo é respeito. Respeito isso que sou… pois sou único, e portanto, raríssimo. O ouro é raro, e muito valioso aos olhos dos homens… mas pode ser encontrado… o ouro não se distingue de um para outro. Embora sua qualidade seja medida em quilates, essencialmente suas propriedades não se alteram. Mas essa pessoa que aqui lhes escreve não pode ser achado em lugar algum do UNIVERSO. Todas as pessoas possuem essa qualidade, de serem tão únicas, tão especiais que não se pode achar duas iguais em lugar algum. Cada um tem seus proprios pensamentos, suas emoções e atitudes… seus gostos e hábitos. Sim, respeito é o que sinto por mim mesmo e pelas pessoas que me cercam. Respeito todos, e todas as suas próprias liberdades particulares.

Acho que o homem deveria dar valor às pessoas antes de qualquer outra coisa. Todo o resto é supérfluo e substituível. O homem não é. Logo, não mate o homem. Não o deixe passar fome nem sede. Não o deixe ao relento, na sarjeta, à mercê das intempéries, da solidão e da tristeza. O mundo é feito pelas pessoas, e se não temos o devido cuidado com elas, o que será do mundo ? Nada…

Creio que aí está a raiz de muitos dos males… a falha do homem em enxergar somente a si próprio, de pensar que ter prestígio e poderes para si próprio o fará mais feliz, mais completo e mais perfeito, quando é justamente o oposto. É dando prestígio e poderes para OS OUTROS é que você se torna maior e mais nobre. Imaginemos como as pessoas formando uma imensa “rede”, onde há um fio interligando cada uma. Se as pessoas só pensam em si próprias, elas estão isoladas umas das outras. Cada uma crescerá de acordo com seu esforço pessoal, sua “sorte” na vida, nos relacionamentos e nas oportunidades. Não há transferência nem comunicação alguma de um ponto a outro. No máximo acontece alguma “notificação” de sucesso ou de fracasso pelas partes, nada mais.

Agora, se as pessoas passam a compartilhar oportunidades, se solidarizar, enfim, ajudar as pessoas próximas, passa a ocorrer troca entre os pontos dessa “rede humana”, e os benefícios são distribuídos mais ou menos uniformemente por todas as pessoas da rede, de forma que há mais uniformidade na felicidade e na realização de todos. As pessoas são mais felizes nas suas vidas, e não há tanta frustração ou tristeza por não haver pessoas tão “sobressaídas” na sociedade, eliminando sentimentos negativos como inveja e ciúme… e isso seria apenas o começo, creio que muitos outros problemas seriam abrandados ou até mesmo solucionados com uma iniciativa semelhante a essa.

Essa comunicação e compartilhamento de oportunidades e ajuda ao próximo não é nova. Várias religiões professam essas práticas, que possui o nome milenar de CARIDADE. Não é fácil exercê-la, mas são belos os seus frutos…

Os raios cósmicos percorrem o espaço… ao mesmo tempo em que o homem velho acorda em sua cama de colchão mofado, em um quarto de paredes sujas e descascadas; no mesmo momento em que uma criança cai em um buraco da rua enquanto corria para se esconder do amigo, em sua brincadeira infantil. Do outro lado da rua, dois carros colidiam na avenida principal, espalhando pedaços de ferro e borracha pelo asfalto, vidro quebrado, água e sangue… ossos se partindo, terminações nervosas se rompendo e adrenalina correndo nas veias.

Do outro lado do planeta, um leão abocanha a garganta de uma gazela no cerrado africano. No Oceano Atlântico, navios estão cruzando-o, transportando cargas de um continente a outro, fazendo sua rota comercial. No fundo dos mares, baleias estão viajando… migrando para mares distantes, em busca de comida e segurança.

Nesse breve instante, o mundo inteiro vive, respira, age, se mexe, observa, aprende, gesticula. Corre, caça, morde, beija, machuca, sorri, chora… nasce e morre. O espetáculo continua, tudo ao mesmo tempo. Tudo é Caos ou Ordem ? Tudo acontece simplesmente por coincidência ? Como se pode conceber tudo acontecendo ao mesmo tempo, e as coisas darem certo, e funcionarem, e mesmo assim haver evolução ?

Ao mesmo tempo que ocorre tanta coisa nesse planeta, este é apenas UM planeta. Além dele, há infinitos planetas, estrelas… explosões galáticas, liberações imensas de energia, estrelas liberando material, planetas congelando e aquecendo… interações de proporcões tão gigantescas que mal conseguimos conceber em nossa mente. E tudo isso, acontecendo em um breve minuto, AO MESMO TEMPO. A grandiosidade e a beleza de tudo isso escapam do nosso alcance. Tantas possibilidades, tanta coisa para aprender, para fazer. A nossa pequenez diante de tudo isso nos faz mais humildes, e mais serenos quanto ao futuro, pois o que é hoje, nesse instante, nesse SEGUNDO, já não é mais no segundo seguinte…

Apesar de tudo estar aparentemente desordenado e aleatório, como que as peças se encaixam ? Não é Caos total… e se há Ordem, nós não a vemos por completo. Poderia-se dizer que é o Caos na Ordem… ou a Ordem no Caos. Mas, isso é contraditório. Como haveria Caos na Ordem e vice-versa ? Ou há apenas um, ou apenas outro, pois são conceitos que se cancelam mutuamente. Talvez nós classifiquemos como Caos aquilo que não compreendemos, aquelas coisas que acontecem sem que entendamos porquê, e que aos nossos olhos nos parecem aleatórias…

Considerando que tudo possui uma Ordem, ou seja, tudo seja regido por regras que abrangem a tudo e todos… existiriam Leis Universais, que estariam por trás do funcionamento de todas as coisas. Um sistema-administrador, que controlasse todos os outros sub-sistemas… Vendo por essa perspectiva, faz sentido que o Universo, que é Organizado e Ordenado, embora não vejamos tudo isso, seja administrado por um mestre. Existiria esse mestre ? Esse “algo” intangível e inalcançável, que, com dedos e mãos invisíveis, comporiam a sinfonia do Universo como um Todo ? Uma Entidade que, com alcance além de nossa imaginação, e com objetivos além de nossa compreensão, mantenha o espetáculo da Existência funcionando, vivo e brilhando, como um artista que mantém sua obra resplandecente, impecável, mudando a cada momento e, ainda assim, mantendo o ritmo e a beleza ?

Eu creio que sim.

Arquivos